quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Vocês não sabem o que é ser um crente, de esquerda

Por Anderson França


Bom dia esquerda carioca,

eu, protestante, chamado por vocês de evangélico, quero dizer uma coisa, no amor.

Eu não me importo de ser diminuído como pessoa, seja do ponto de vista cognitivo ou de compreensão da realidade política, como tenho sido nessa página e no meu perfil pessoal, por ser protestante.

Eu, e muitos irmãos meus, crentes, temos sido continuamente diminuídos por vocês.
Mas isso não me importa. E na verdade, nunca importou.

Com 6 anos, minha vó me levava pela mão à igreja, no subúrbio do Rio, passando por católicos, por butecos, por meus colegas que iam jogar bola, iam à praia com a família, mas ela me dizia para olhar para o chão.

Eu olhava para o chão para não ver os sorrisos das pessoas, geralmente de deboche, para e minha vó e eu. Ela, de coque, vestido de tecido grosso, uma bíblia na mão, pernambucana de Caruaru, mãos enrugadas e de fé batista.

Abandonara uma irmandade de Maria, aos 19 anos, e se lançara no protestantismo, os chamados "novos bodes".

Crente. Bíblia. Fanáticos. Vários nomes, ao longo da minha infância. Minha vó e minha mãe, me davam banho, me arrumavam, e lá ia eu, pra igreja, todos, eu disse todos os domingos da minha infância.

Todos.

Não teve parque. Não teve praia. Não teve bicicleta no Aterro do Flamengo. Piquenique.
Era igreja, no subúrbio. Hino. Oração. Sermão.

Eu não me importo com você me rebaixando, porque eu lido com isso desde que aprendi a andar.
Espero que você tenha entendido isso, porque a segunda coisa que vou te dizer é: eu voto na esquerda.

Mas não é por causa da esquerda. Por causa do Freixo. Da verdade que você aprendeu na universidade.
Tenho muita inveja das pessoas que possuem verdades absolutas. Das pessoas que sabem das coisas. Pessoas sabidas.
Eu voto na esquerda, porque antes de Marx, vem Cristo.

Ambos judeus.

Mas eu prefiro o que usava vestido, andava com prostitutas e pecadores. É isso que a bíblia diz: ele andava com prostitutas e pecadores.

Marx é um rascunho, muito do mal elaborado, do que Cristo disse no alto do monte, sobre o Reino de Deus.

O primeiro sujeito a me falar de Reino foi Leonardo Boff. E eu não era mais uma criança. Eu queria entender o mundo, a pobreza. Porque o evangelho do Cristo era para o povo, pelo povo, através do povo.

Boff me ensinou sobre a Teologia da Libertação.
Sobre o camponês, sobre o operário, sobre o povo se tornar livre, porque a liberdade é a mensagem do Cristo. E o Reino de Deus é onde nada falta. Onde homem não explora o homem.

E Deus está onde há relações de amor.

Se os intelectuais discordam disso, eles que dediquem tempo debatendo. Eu me engajei nas lutas de esquerda, e aos 17 anos fui chamado na Igreja Batista de Madureira, onde congregava, pelo meu pastor. E lá, fui duramente repreendido por participar dos movimentos que culminaram no impeachment de Collor.

Acontece que Cristo disse: "Bem aventurados os que tem fome e sede de justiça. Porque eles serão fartos."
Não há como ler isso, sem pensar que justiça é algo que precisa ser implementado agora. Para o povo nordestino, meu povo, para o povo negro, para mulheres, gays, todos os oprimidos.

Mais: da mansão no Leblon ao barraco no Timbáu. Porque para o Cristo, a opressão começa dentro, de si mesmo, e não no outro.

Cristo, em quem eu acredito, e que para vocês é uma ignorância, é o começo de todas as lutas que implementei na vida. Na Universidade da Correria tem Cristo. Na Dharma ACC  tem Cristo. No TEDxMaré tem Cristo. Na minha casa. Eu não acredito que a verdade seja uma tese, um livro.

Para mim, a verdade é uma pessoa.

E eu sigo, confesso que de forma medíocre, essa pessoa.
Pessoa que foi preso político. Morreu condenado entre criminosos. Sob a pena capital do Estado. Executado, sendo inocente. Bandido bom,é bandido morto. Na forma da lei. Provavelmente, preto. O Messias preto.

Todo sangue que precisava ser derramado para a construção de uma sociedade mais justa foi derramado naquela cruz.
Você não acredita nisso. E eu respeito você.

Mas aqui é desse jeito.
Um líder que deu a sua vida. Não sua sabedoria, sua eloquência nos seminários da UFF.
Amigos de esquerda, vocês são o rascunho mais pobre do Reino de Deus. Mas ainda assim, um rascunho.

Porque eu acredito em algo muito mais justo, belo, amoroso e libertário que qualquer coisa que Marx tenha nos inspirado.
Vocês são a minha aposta mundana. Minha aposta na possibilidade de manter o humano próximo das utopias de Cristo. Marx é apenas um degrau para aquilo que é muito, muito maior: o Reino de Deus.

Onde não há negro, branco, judeu, grego, macho, fêmea, gay, hétero, puta, santa, mas Cristo é tudo em todos. E todos são livres.

Porque eu prego a Cristo, e este, crucificado. O que é um escândalo para vocês, e uma loucura para os intelectuais. Porque um líder precisa matar, não permitir que seja morto. Mas eu sigo o homem que perdeu. Todos os seguidores de Jesus, durante 4 séculos, foram presos e mortos como prisioneiros políticos. Dr. King. Ou seja: de que alienação vocês estão me falando?

Vocês lutam por um Estado justo. Eu, pelo Reino.

Vocês pensam em mudar apenas o mundo. Eu digo que precisamos começar a mudar por dentro. Porque é aí que o bicho tá pegando. E então o mundo.

Porque somos todos desviados da Graça.

Mas quando éramos ainda inimigos de Deus, ele nos enviou Seu Filho. Ele prova o seu amor por nós, pelo fato de Cristo ter dado sua vida por mim, me reconciliando com Deus, quando eu ainda era inimigo Dele. Isso aí é muita treta para sua cabeça, amigo, e eu sei. E respeito. Mas nossas utopias são ainda maiores que as ruas, e de coisas impossíveis de mudar.
O que na verdade não pode parecer impossível de mudar é o coração da pessoa. Porque o resto, tudo é possível.

Entenda:
Não quero converter você. Sua presença na igreja não me interessa.
Quero, apenas, que você pare de desqualificar o voto evangélico, de desprezar a minha inteligência, e principalmente, a vida, a vivência e o amor que meus irmãos tem, mesmo que eu não concorde com eles.

Não concordo com Crivella. Não concordo com Malafaia. Posso combatê-los aqui, diariamente. Mas não desprezo a fé deles. Muito menos das milhares de pessoas que vão às suas igrejas. Milhares. De mulheres, crianças, jovens, como eu.

Milhares.

Que ouvem discursos de ódio. E são, um dia, confrontados com a mensagem de que Deus é amor. E que Deus não fecha com Malafaia em tudo que ele diz. E Malafaia sabe disso.

Porque Malafaia sabe o que é certo, mas prefere o que dá certo.
Mas todos devem dar satisfações a um Juiz.

Meu amigo, não foi Marx, nem você quem me fez esquerda.
Vocês são os gentios que mais se esforçam para criar algo que longinquamente se parece com o Reino.
Por isso eu apoio.

Não agridam os crentes. Se vocês são tão mais evoluídos, não agridam. Se forem agredidos, procurem em Paulo Freire o que fazer. Parem de humilhar a fé dos crentes da Universal. Parem de dizer que os crentes são os culpados por estarmos onde estamos.

Vocês não nos conhecem.
Vocês não sabem o que é ser desprezado por ter uma fé.
Vocês não sabem o que é ter que se manter escondido por ter uma fé.
Vocês não sabem o que é ter que peitar o Malafaia todos os dias, para não ser representado por ele.
Vocês não sabem o que é ser abandonado por amigos de infância, juventude, todo seu convívio social, por optar pelos oprimidos.

Pergunte, quem de igreja fala comigo hoje, das muitas igrejas e amigos que tive.
Muitos defendem milícias. Muitos defendem a morte. Mas eles também são vítimas.

Vocês não sabem o que é ser um crente, de esquerda.
E não sabem o quanto de amor temos pelos nossos irmãos que não enxergam que são usados pela máquina.
Não respeitados pelos crentes, por ser de esquerda.
Não respeitados pela esquerda, por ser crente.

Muitos de nós estamos em presídios. Muitos de nós em hospitais. E não me refiro a quem visita, me refiro ao preso. Ao doente. Somos muitos crentes presos, doentes, excluídos. Pessoas que saem do crime, e se apegam na fé. Tem isso em qualquer outra religião. Religião que vocês desprezam.

Há muitos de nós em conflitos internos, em repertório que nenhum de vocês suportaria. E a maioria dos crentes é pobre. Não tem faculdade na favela, mas tem uma igreja, onde se pode chorar, onde se pode botar pra fora a frustração.

Não elejam Freixo, às custas de tantas feridas no caminho.

Elejam, respeitando os crentes. Ele, se eleito, vai governar para os crentes.

A minha oração é muito sem importância. Mas hoje, eu oro por vocês.

E que possamos construir uma cidade menos desigual.

Fonte: https://www.facebook.com/DinhoEscritor/

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Alfabetização: sua origem e contexto histórico

Por: Raquel Regina Zmorzenski Valduga Schöninger

Para entendermos a Educação, hoje, e as interfaces com as Novas Tecnologias, precisamos compreender melhor como aconteceu o processo de alfabetização.

É comum pensarmos na alfabetização como o resultado de um período de escolarização, como se essa tivesse nascido junto com a escola. No entanto, a alfabetização é anterior à escolarização.

Conforme Cook-Gumpertz (1991), em um período anterior ao movimento da escolarização, a alfabetização já fazia parte da vida de um número significativo de pessoas, porém o valor atribuído a ela era muito diferente. A alfabetização possuía valor na vida social e na recreação das pessoas, já que a atividade econômica não era seu grande objetivo, pois naquele contexto histórico podia-se viver tranquilamente sem as habilidades de leitura e escrita. A alfabetização não era, a princípio, considerada uma possibilidade de ascensão social. Afinal, eram apenas os nobres que tinham estabilidade social garantida.

A alfabetização do povo foi iniciada pelos religiosos que com o intuito de conquistar mais fiéis utilizavam o catecismo para alfabetizar. No período das reformas religiosas, ocorreu de certa forma uma concorrência entre os reformadores protestantes e católicos pelas escolas primárias, o objetivo era angariar o maior número de fiéis submissos. Assim, o ensino na época, exercido por instituições religiosas, não se preocupava, apenas, em oferecer os rudimentos da leitura e da escrita, oferecia, também, os conteúdos religiosos, instruções morais rígidas, além de pregar o amor pelo trabalho.

Alguns reformadores defendiam que o ensino se desse na língua materna do estudante, fato que, de certa maneira, possibilitaria uma disseminação maior da alfabetização e produziria também a limitação do período de escolarização, já que o latim era pré-requisito para a entrada nos colégios. Essa prática, de ensinar as crianças só na língua materna e não ensinar o latim serviu também como fator de seleção (ou discriminação social), pois era uma prática que acontecia nas escolas primárias frequentadas por pobres. Quer dizer, se por um lado ensinar as crianças na língua materna possibilitou que um número maior delas fosse alfabetizada, por outro lado, sem o latim, elas não chegavam aos colégios.

O ensino de caráter religioso, a princípio, não contava com o apoio dos dirigentes políticos, pois esses viam a alfabetização como uma possibilidade de o povo vir a contestar a ordem vigente. Porém, com os protestos populares do século XVII, que ocorreram em vários locais, atacando as autoridades, provocando uma mudança na posição dos burgueses e nobres, estes começaram a perceber na escolarização para o povo uma possibilidade de controlar essa gente.

No entanto, o dualismo escolar continuava; para os burgueses e nobres uma educação para administrar e, para os integrantes da classe popular, uma educação moralizadora, que tinha como principal objetivo: ensinar o amor ao trabalho, a obrigação da fidelidade ao empregador, ou seja, transmitir aos alunos e alunas pobres alguns conhecimentos apropriados a seu destino de trabalhadores.

De acordo com Varela (1992), inicia nesse período a campanha de domesticação da criança e do jovem pobre. São criadas escolas específicas para corrigir os desvios de educação dos/as filhos/as da pobreza. Cabe ressaltar que as escolas destinadas aos filhos e filhas da nobreza nada tinham a ver com os estabelecimentos de ensino que a população pobre frequentava. Nessas escolas, não eram apenas as atividades e os conteúdos de ensino que eram diferenciados, os castigos e a submissão às ordens também aconteciam de maneira diferente daqueles estabelecidos para a nobreza.

No entanto, no final do século XVIII, início do século XIX, com o crescimento da industrialização, alguns países começaram a optar pela escola gratuita e obrigatória. Nessa nova fase social de urbanização e industrialização, em que a economia deixa de ser agrária e passa a ser em sua grande maioria urbana, o conceito de alfabetização também se transforma.

Nesse novo contexto, segundo Petitat (1994, p.151) “pode-se sustentar que a tecnologia industrial implica conhecimentos dificilmente transmissíveis e aplicáveis sem o recurso da escrita”. Ou seja, o processo de industrialização contribuiu para o aumento da alfabetização em níveis gerais.

Para Cook-Gumperz (op.cit), a escolarização da alfabetização, ou seja, para o povo, num primeiro momento, provocou certo medo nas classes dirigentes. Depois, serviu durante anos como um bom instrumento de produção e reprodução de pessoas educadas para o trabalho, conforme mencionamos anteriormente. A classe dominante que, historicamente, tem encontrado um jeito de reverter a situação em seu benefício, deu continuidade ao processo de escolarização, iniciado pelos reformadores protestantes e católicos em um bom espaço pra preparar mão de obra para as suas indústrias e ensinar aos indivíduos os valores morais e a serem bons operários.

O que mudou foi a quem se devia obediência. Agora não era a “Cristo”, e sim, aos dirigentes de Estado. Quer dizer, a alfabetização oferecida ao povo não os instrumentalizava para que esses pudessem contestar a realidade em que viviam e transformá-la, caso desejassem, deveriam apenas aprender a obediência, a docilidade e o respeito às normas estabelecidas pelo Estado.

Com essa nova consciência em relação à alfabetização, o analfabetismo passou a ser visto como um problema: os não alfabetizados fogem do “adestramento” da escola, o que significa uma diminuição da reserva de mão de obra barata.

E assim, podemos dizer que a escola laica e gratuita foi fundada nos mesmos preceitos das tentativas religiosas e filantrópicas de estender aos pobres o acesso aos bancos escolares, ou seja, dar ao povo os rudimentos da leitura e da escrita, além de ampliar e corrigir uma educação familiar considerada insuficiente. Nessa perspectiva, a escola se caracteriza como uma instância especializada em educação que completa a instrução familiar e outros ambientes de socialização.

Desde sua origem, a escola tem para os “pobres uma escola pobre”, isto é, um ensino superficial com o intuito de garantir o mínimo possível. Muitos estudiosos afirmam que diferentes grupos controlam o ensino primário. No entanto, parece que os objetivos, as ideias, que estiveram presentes não diferem, conforme o grupo que controla. Esses grupos, religiosos, nobres e burgueses, disputam o controle da mesma classe, o povo que tem menores condições econômicas. E o que muda apenas são as estratégias utilizadas para efetivar o objetivo de controle. Esses grupos, em diferentes momentos históricos, organizam as escolas elementares de forma a garantir ao povo nobre um ensino condizente com a sua condição.

Dessa forma, está instituída a alfabetização que garante a aquisição de habilidades mínimas de leitura e escrita e, ao mesmo tempo, educa o indivíduo pobre para o amor ao trabalho e a obediência aos governantes.

É importante destacar que, embora esse processo remonte tempos idos, ainda hoje, algumas práticas conservadoras permeiam a sala de aula e a instituição escolar. Ações como o castigo pelo mau comportamento e o prêmio pelo bom comportamento para servir de exemplo aos outros/as alunos/as.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Ninguém vai conseguir resistir sozinho

Por Alessandra Orofino

Hoje quero escrever para os amigos, conhecidos, e conhecidos de conhecidos que vestiram verde e amarelo. Que foram pra rua pedir que Dilma caísse. E que estão vendo essa demanda ser atendida.
Quero dizer que eu também não estava satisfeita com o governo dela, em aliança com o PMDB. Que fiquei chocada, triste e envergonhada ao constatar o tamanho do buraco da corrupção na Petrobrás. Preocupada com a economia. E cansada de tanto escândalo, de tanto dinheiro suado e honesto indo parar nas mãos de quem nem trabalha nem entende o que é honestidade.

Quero dizer que além de tudo isso, me incomodava sua recusa em dialogar com a sociedade, repetidas vezes. Seu desenvolvimentismo ecocida. Seu desprezo por qualquer minoria que se colocasse no caminho desse projeto. Suas alianças com os coronéis de outrora e os prefeitos arrogantes de hoje.

E era por tudo isso que eu estava me cercando de gente que gosto e admiro, para fazer pressão durante os próximos anos. Para disputar o governo dela e resistir às suas falhas, cotidianamente. E era por isso que eu ansiava pelo retorno do debate eleitoral, em 2018. Para que ela saísse, e pudéssemos discutir um novo plano. Uma visão renovada de país. Em que você e eu pudéssemos discordar, também. Democraticamente.
E no entanto, ela caiu agora. Eu entendo a sua pressa. Eu também tenho pressa. Mas nessa impaciência, você esqueceu que o como das coisas importa tanto quanto o quê das coisas. E ela sair desse jeito, pela mão dessas pessoas, importa mais do que ela sair de qualquer jeito.

Você pode não acreditar que o processo seja ilegal. Você pode insistir que havia razões muito válidas e constitucionalissimamente aceitáveis para que ela caísse. Mas a verdade é que os arquitetos da queda de Dilma não estão interessados nem em legalidades, nem nos temas que são importantes pra você. Também não se importam com aquilo que é fundamental pra mim. São uma casta política, cada vez mais afastada de nós, disputando os últimos lugares dos botes salva-vidas de um Titanic prestes a afundar.

Nós estamos lá embaixo, presos atrás das grades e vendo a água subir, enquanto a primeira classe de podres políticos ainda tenta se salvar do afogamento iminente. Você sabia que, para as eleições deste ano, PT, PMDB e PSDB estão coligados em quase 30% dos municípios? Isso quer dizer que o voto em um candidato ou candidata à vereador do PMDB ou do PSDB pode eleger um petista em quase um terço das cidades brasileiras. E vice-versa. Você acha mesmo que esses partidos estão interessados em "extirpar a corrupção petista" do país? Você acha que existe alguma possibilidade de ser esse o grande objetivo que os acontecimentos de ontem e hoje revelam?

Veja: o governo que, ao que tudo indica, assumirá em caráter definitivo não terá sido colocado ali nem por mim, nem por você, nem por ninguém - com a exceção de um punhado de auto-interessados. Até porque ninguém vota no vice esperando que ele se volte contra a cabeça de chapa e arquitete sua queda, mantendo-se intacto, e aprofundando um estelionato eleitoral já em curso.

O fato deste governo não ter nem o meu voto nem o seu voto permitirá que ele tente implementar no país políticas que não seriam aceitas nem por mim, nem por você. Sabe, eu tenho certeza que a gente não vai concordar em tudo. Mas também acredito que você, assim como eu, quer viver num país mais justo. Inclusive, você respondeu a um monte de pesquisas de opinião que comprovam isso - você, ou outros que estavam nas ruas junto com você.

Essas pesquisas mostram o mais que óbvio: você, assim como eu, quer ser assegurado de que, mesmo se você amanhã passar por uma dificuldade ou ficar sem nenhum tostão, seus filhos serão educados com qualidade e as pessoas que você ama não morrerão numa fila de hospital.

Eu não estou dizendo que, com Dilma, nossos sistemas de saúde e educação melhorariam magicamente. Mas estou afirmando que com um governo desprovido de mandato popular não existe nenhuma possibilidade dessas áreas serem prioridade. Porque se um governante sabe que pode chegar no poder sem voto, ele não fará grandes coisas para atrair futuros eleitores. E governará para si. Para si, e para a mesma casta que sempre promoveu festas com dinheiro público - aquelas festas que você, com toda razão, quis evitar.

Eu não acho que você tenha se mobilizado pra isso. Não acho que tenha pintado a cara e tomado as ruas pra isso. E justamente porque não acho que você seja mau, ou que queira o mal do Brasil, que espero que a sua luta não acabe na quarta-feira.

Porque o que vamos encarar, juntos, nos próximos dois anos, é uma máfia que não precisa nem fingir que tem compromisso com o país. Uma máquina que se alimenta sozinha e não precisa de mais ninguém para manter-se viva. E ela vai direcionar sua fúria contra todos nós. Nossos direitos, nossos sonhos, nossa possibilidade de vida em comum. Poucos estarão a salvo. E esses, em sua maioria, não vão para a rua nem contra nem a favor de ninguém. Preferem levar seus complôs a cabo por outros meios.

Amanhã, contra essa máfia e contra essa máquina, começa a resistência. E eu não vou conseguir resistir sem você. Ninguém vai conseguir resistir sozinho.

Vamos juntos?

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Uma andorinha só não faz verão - Aristóteles

Assim como quem olha uma a andorinha migrando não imagina que o verão está chegando, um único ato de virtude não representa uma pessoa virtuosa. É na prática da vida, tanto mais nas situações difíceis, que se revela o caráter do indivíduo.

A virtude é um valor inerente a qualquer sociedade. E ela, a sociedade, exerce grande poder de influência sobre o indivíduo porque o homem, por uma questão primária de sobrevivência, necessita pertencer a um grupo. Emile Durkheim chama este poder de influenciar de Fatos Sociais.

Se por um lado, "o fato social, segundo Durkheim, consiste em maneiras de agir, de pensar e de sentir que exercem determinada força sobre os indivíduos, obrigando-os a se adaptar às regras da sociedade onde vivem", por outro, "nem tudo o que uma pessoa faz pode ser considerado um fato social, pois, para ser identificado como tal, tem de atender a três características: coercitividade, exterioridade e generalidade." Em outras palavras, nem todas as ações humanas são frutos do poder da sociedade, portanto, é possível uma pessoa agir, pensar e sentir diferente do grupo. – Não é fácil. É neste momento de "escape", nesse ineditismo da autenticidade humana, que se torna possível forjar a mais verdadeira individualidade.

A sociedade, tanto mais entre os mais jovens, parece viver a pungente necessidade de ser diferente. Mas diferente de quê? Diferente de quem? Diferente da maioria, diriam. No entanto, isso significa tornar-se igual a outros "diferentes", seguindo seus padrões de maneira coercitiva, ainda que não se perceba. A aparente diferença revela-se uma igualdade a um grupo menor (talvez) constituindo pouco ou quase nada de inédito ou de individual próprio da pessoa. É sair de uma caixa para entrar em outra. – "Não existe nada de novo debaixo do sol."

Na sociedade de Jesus os valores são diferentes. Os discípulos, aqueles que nela ingressam, são assim reconhecidos quando possuem a maior de todas as virtudes: o amor. Permanecer “nas minhas palavras” é a regra, o objetivo primeiro é glorificar ao Pai. O agir, o pensar e o sentir de cada um devem ser capazes de influenciar a sociedade. Para estes, a vida só faz sentido porque o seu grupo social não pertence a este mundo como também não pertence o de Jesus. Sob estas perspectivas, valores e virtudes é que se põem os chamados discípulos de Cristo. Portanto, também no reino de Deus “uma andorinha só não faz verão”. É preciso viver o Evangelho todos os dias.


-------------
Nota:
Coercitividade – característica relacionada com o poder, ou a força, com a qual os padrões culturais de uma sociedade se impõem aos indivíduos que a integram, obrigando esses indivíduos a cumpri-los.
Exterioridade – quando o indivíduo nasce, a sociedade já está organizada, com suas leis, seus padrões, seu sistema financeiro, etc.; cabe ao indivíduo aprender, por intermédio da educação, por exemplo.
Generalidade – os fatos sociais são coletivos, ou seja, eles não existem para um único indivíduo, mas para todo um grupo, ou sociedade.

Fonte: http://www.sociologia.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=167

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Uma Ferramenta, Muitas Possibilidades – O Podcast

Por: Vinicius Sirvinskas

Você já ouviu falar sobre podcast? Se você convive comigo com certeza ouviu, já que sou fã inveterado dessa ferramenta. Caso você seja antenado em tecnologia também conhece a mídia e provavelmente faz bom proveito dela. Agora, se você não me conhece (acho que a maioria dos que estão lendo… Rs), não gosta de tecnologia e, por isso não conhece podcast, saiba que está perdendo um mundo de possibilidades.
Assim como a TV, o rádio e o jornal, o podcast é uma mídia de transmissão de informações (pela internet e geralmente áudio). Porém, a sua vantagem primordial é o conteúdo sob demanda e a mobilidade. Logo, você pode ouvir podcast quando, onde e sobre o que quiser.

Podemos encontrar podcasts que ensinam uma nova língua, podcasts de humor e entretenimento, podcasts sobre Historia e Ciência, muitos sobre tecnologia e mais uma infinidade de assuntos. Esse post pretende inaugurar a categoria de indicação de podcasts em nosso blog. Como somos um blog que trata de assuntos voltados para o cristianismo a nossa linha de indicação caminhará nesse sentido, o que não quer dizer que não possam surgir indicações de podcasts com conteúdo relevante fora da esfera do cristianismo.
Para começar vou citar alguns dos podcasts cristãos de maior representatividade na podosfera (se acostume com a expressão) brasileira. Em nossos futuros posts vamos começar a indicar episódios específicos e criaremos categorias para separar as indicações por assuntos e interesses.

Não existe outra possibilidade de indicação que se encaixe na primeira opção para podcast cristão no Brasil. O Podcast irmaos.com está chegando à marca de 300 programas publicados, com uma história que se iniciou  em março de 2006, data da publicação de seu primeiro episódio (tenho muito orgulho de ter acompanhado desde o início). Sempre com conteúdo atual e relevante você pode ter acesso a todo o acervo de programas clicando aqui.

Mas o irmaos.com não está só. Uma indicação que não poderia faltar aqui é o Btcast, podcast especializado em teologia. Você encontra todo o conteúdo no link: “Teologia é o nosso esporte”,  essa é a pegada da galera que conduz esse podcast. Se você gostou desse blog, esse podcast é a indicação certa para você. Clique aqui para acessar o conteúdo disponível.

Para terminar, a indicação de um episódio específico. A galera do No Barquinho pode não parecer, mas é crente! Brincadeiras à parte, eles são um podcast cristão mais leve, que não deixa de tratar de todos os assuntos, inclusive os mais densos. Clicando na imagem abaixo você tem acesso ao programa onde eles falam sobre o que é podcast. Se preferir clique aqui para ouvir ou baixar o arquivo do programa.



Fonte: www.mundopodcast.com.br


quinta-feira, 2 de junho de 2016

Maldito Thor!

A frase não é de Lóki, meio irmão do “deus do trovão”. É um protesto contra o colonizador que demoniza as religiões de matriz africana. Tem certeza que vai continuar lendo?

Maldito Thor, de rosto liso e aparência que nos impõe os padrões de “beleza” dos colonizadores. Você nada se parece com o truculento, fedorento, ruivo e barbudo original. Da sua Ponte do Arco-íris você observa e ensina o ódio gratuito àqueles que não têm seu cabelo liso e loiro, sua pele branca nem seus olhos azuis. A mesma cor que subverteu os olhos do Senhor Jesus, estereotipado aos padrões próximos aos seus.

Você com seus sacrifícios humanos agora é herói-salvador, é brinquedo gratuito dos lanches infantis.  Saiba que Yahweh sempre condenou tais sacrifícios, sejam a Moloque dos cananitas, à Shakti dos hindus, a Zeus dos gregos, a Thor dos nórdicos, aos Orixás dos africanos ou aos Xamãs dos indígenas. A todos os deuses romanos, asiáticos ou astecas, em qualquer lugar do planeta ou época da história, o SENHOR reivindica: “agora és mais amaldiçoado que a terra que abriu a boca para tragar, de tuas mãos, o sangue de teu irmão.” (Gn 4.11)

Mas você Thor, com sua capa vermelha, cor da bandeira colonizadora, nos faz engolir sua cultura. Seus meninos e meninas de faces rosadas vestidos de bruxinhas e diabinhos, estão à porta nos subornando: “doces ou travessuras!”. Somos a Casa Grande e a Senzala só é do Diabo porque tem olhos castanhos (quase negros), cabelos crespos e a pele negra como a noite. “É que Narciso acha feio o que não é espelho”. Um espelho refletindo a imagem do deus do Norte, mas não dos nórdicos.

Maldito Thor, que rejeita nossa cultura e nossos ritmos: samba, frevo, maracatu e o forró, antiga festa dos nossos senhores. O jazz, das muitas matrizes negras de Nova Orleans, é lá demonizada. Aqui, são nosso cânticos dos hinos espirituais. O que você fará naquele dia quando o SENHOR lhe perguntar: “Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama a mim desde a terra.” (Gn 4.10) Quando descobrir que Deus também é negro, como todo àquele que sofre? O que fará a Casa Grande quando se descobri a caminhar contigo para o lugar que dizem pertencer a Senzala?

Thor você, é um deus que não nos representa ou defende. Antes, nos ilude, aliena e domina. Que no dia de Ragnarök, cumprindo a profecia, Jörmungandr, a grande serpente, abra a sua boca e te engula com todos os deuses de Asgard.


Fontes:
https://en.wikipedia.org/wiki/Thor
https://www.reddit.com/r/AskHistorians/comments/1rmhhv/did_the_ancient_greeks_ever_practice_human/
http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/secondary/SMIGRA*/Sacrificium.html
https://en.wikipedia.org/wiki/Moloch
https://en.wikipedia.org/wiki/Human_sacrifice
http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/origens-jazz-800642.shtml
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ragnar%C3%B6k

sábado, 14 de maio de 2016

Há noites que duram anos

"Dilma Rousseff cometeu falhas graves e erros gritantes, mas sua dignidade e honra ao encarar seus algozes são motivos suficientes para minha admiração. Aprendi que é admirável sua força."

(Thiago Barbosa)

"Há noites que duram anos. Há dias que duram séculos. Esta foi uma noite e este será um dia. Escolhi o lado difícil da história, escolhi o lado 'justo' da história. Poderei dizer a meus futuros filhos e netos que a primeira mulher Presidenta do Brasil foi usurpada do poder por seres humanos traidores, vendidos, sem palavra e sem honra. Sob à tutela de Deputados com contas na Suíça, ex-Presidente da República desviando dinheiro para bancar, no exterior, amante e filho, Senadores traficantes de drogas, Senador que possui trabalho escravo em seus latifúndios, fanáticos religiosos e tantos outros. Esta mesma mulher, que aguentou, por três anos, a prisão, tortura física, moral e sexual, aguenta, de pé, a mesma tortura, com a devida proporção. Houve erros? Sim. Houve alianças espúrias? Sim, em nome de uma frágil governabilidade. Aliás, poderia enumerar uma série de equívocos, mas não foram eles os responsáveis por tirar Dilma Vana Rousseff do poder. Foram seus acertos.

Quando Lula foi eleito em 2002, a Casa Grande apostou em quatro anos de fracasso, estampado no medo de Regina Duarte, a namoradinha do Brasil. Os governos de Lula foram os melhores da história de nosso país, fazendo sua sucessora duas vezes. Ah, isso é inadmissível para a elite. Como um analfabeto, torneiro mecânico, pode chegar tão longe e ser o brasileiro com maior títulos Doutor Honoris Causa? Enfim, a Casa Grande não suportou ver o povo pobre ocupar a vaga de seus filhotes nas universidades federais, que, em tempo, nos últimos treze anos foram criadas mais do que nos quinhentos e dois anos anteriores.

A Casa Grande não admitiu que empregadas domésticas (um termo lamentável) tivessem mais direitos, pois ficou mais caro "tê-las". Para eles, é um absurdo, um outro ser humano ter mais direitos trabalhistas. A Casa Grande não suportou o fato de ver 40% a mais de negros adentrar o portão principal das universidades. Aeroporto ter virado rodoviária. A Casa Grande tremeu com a alta do dólar, atrapalhando seus passeios anuais para Miami. Tantos e tantos outros exemplos que só mostram que a Casa Grande precisa tirar esta mulher do poder, afinal eles precisam da Senzala para que nunca deixem de ser A Casa Grande."

(Fernando Drummond)

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

A Revolução dos Bichos



Animal Farm, A Revolução dos Bichos, O Porco Triunfante, O Triunfo dos Porcos ou A Quinta dos Animais é um romance satírico do escritor inglês George Orwell, publicado no Reino Unido em 17 de agosto de 1945 e apontado pela revista americana Time entre os cem melhores da língua inglesa. A sátira feita pelo livro à União Soviética comunista obteve o 31º lugar na lista dos melhores romances do século XX organizada pela Modern Library List.

O livro narra uma história de corrupção e traição e recorre a figuras de animais para retratar as fraquezas humanas e demolir o "paraíso comunista" proposto pela Rússia na época de Stalin. A revolta dos animais da quinta contra os humanos é liderada pelos porcos Bola-de-Neve (Snowball) e Napoleão (Napoleon). Os animais tentam criar uma sociedade utópica, porém Napoleão, seduzido pelo poder, afasta Bola-de-Neve e estabelece uma ditadura tão corrupta quanto a sociedade de humanos.

Para o autor, um socialista democrático e membro do Partido Trabalhista Independente por muitos anos, a obra é uma sátira à política stalinista que, segundo sua ótica, teria traído os princípios da Revolução Russa de 1917.

Filme com opções de legendas. Clique aqui.


Nada é de graça: Como capturar porcos selvagens

Nada é de graça: como capturar porcos selvagens
Havia um professor de química em um grande colégio com alunos de intercâmbio em sua turma. Um dia, enquanto a turma estava no laboratório, o professor notou um jovem do intercâmbio que continuamente coçava as costas e se esticava como se elas doessem.

O professor perguntou ao jovem qual era o problema. O aluno respondeu que tinha uma bala alojada nas costas, pois tinha sido alvejado enquanto lutava contra os comunistas de seu país nativo que estavam tentando derrubar seu governo e instalar um novo regime, um "outro mundo possível".

No meio da sua história ele olhou para o professor e fez uma estranha pergunta: "O senhor sabe como se capturam porcos selvagens?"

O professor achou que se tratava de uma piada e esperava uma resposta engraçada. O jovem disse que não era piada.

"Você captura porcos selvagens encontrando um lugar adequado na floresta e colocando algum milho no chão. Os porcos vêm todos os dias comer o milho gratuito. Quando eles se acostumam a vir todos os dias, você coloca uma cerca, mas só em um lado do lugar em que eles se acostumaram a vir. Quando eles se acostumam com a cerca, ele voltam a comer o milho e você coloca um outro lado da cerca. Mais uma vez eles se acostumam e voltam a comer. Você continua desse jeito até colocar os quatro lados da cerca em volta deles com uma porta no último lado. Os porcos que já se acostumaram ao milho fácil e com as cercas, começam a vir sozinhos pela entrada. Você então fecha a porteira e captura o grupo todo."

"Assim, em um segundo, os porcos perdem sua liberdade. Eles ficam correndo e dando voltas dentro da cerca, mas já foram pegos. Logo, voltam a comer o milho fácil e gratuito. Eles ficaram tão acostumados a ele que esqueceram como caçar na floresta por si próprios, e por isso aceitam a servidão."

O jovem então disse ao professor que era exatamente isso que ele via acontecer neste país. O governo ficava empurrando-os para o comunismo e o socialismo e espalhando o milho gratuito na forma de programas de auxílio de renda, bolsas isso e aquilo, impostos variados, estatutos de "proteção", cotas para estes e aqueles, subsídio para todo tipo de coisa, pagamentos para não plantar, programas de "bem-estar social", medicina e medicamentos "gratuitos", sempre e sempre novas leis, etc., tudo ao custo da perda contínua das liberdades, migalha a migalha.

Devemos sempre lembrar que "Não existe esse negócio de almoço grátis".

Finalmente, se você percebe que toda essa maravilhosa "ajuda" governamental é um problema que se opõe ao futuro da democracia em nosso país, você vai mandar esta mensagem para seus amigos. Mas se você acha que políticos e ongueiros pedem mais poder para as classes deles tirarem liberdades e dinheiro dos outros para beneficiar *você* ou "os pobres" então você provavelmente vai deletar este email, mas que Deus o ajude quando trancarem a porteira!

Fonte: http://cavaleirodotemplo.blogspot.com.br

Blogs que eu acompanho